[ editar artigo]

QUANDO O KANBAN ENGOLIU O QUADRO BRANCO - PARTE 3 DE 3

QUANDO O KANBAN ENGOLIU O QUADRO BRANCO - PARTE 3 DE 3

 

Como detalhado na Parte 2 deste artigo, que você pode ler aqui, a mudança do modelo pedagógico nas salas de aula do curso técnico em Segurança do Trabalho da ECOTEC teve um ponto fundamental construído em torno do patrocínio da Coordenação Pedagógica da escola, e os resultados mostraram que esta foi uma ótima aposta, como pode ser visto a seguir.

 

>>> Principais resultados alcançados

  • Praticamente 100% dos estudantes registraram melhoria na percepção de todos os itens auto avaliados.
  • 100% dos 9 grupos formados não atrasaram suas entregas, e 3 deles (33,3%) adiantaram a entrega final em até uma semana.

 

>>> Pontos negativos (visão do aluno):

      - Tempo para aprendizado da ferramenta (27%)

      - Dificuldade para entendimento da ferramenta (14%)

 

>>> Pontos positivos (visão do aluno):

      - Visualização do todo a ser entregue antes de se iniciar (70%)

      - Equipe comprometida com as tarefas e o aprendizado (57%)

      - Priorização de atividades e antecipação de problemas (57%)

      - Resolução mais rápida dos problemas (49%)

 

>>> Lições aprendidas (visão do aluno):

      - “Planejamento, organização e comprometimento são fatores de sucesso”

      - “Acompanhamento diário é determinante para se cumprir prazos e metas”

      - “O SCRUM pode ser aplicado a qualquer coisa na vida”

 

>>> Sugestões de melhorias (visão do aluno):

      - “Dedicar mais tempo à teoria do SCRUM”

      - “Não demorar a apresentar o SCRUM aos alunos”

      - “Estender o uso do SCRUM a todas as disciplinas”

 

>>> Alguns números:

     AS*:  Nota média: 66,7        Maior nota: 86,2

     DS*:  Nota média: 81,5        Maior nota: 93,5

                  + 22,2%                             + 8,5%

     (AS = Antes do Scrum | DS = Depois do Scrum)

 

Desdobramentos adicionais para os estudantes

Ao final deste ciclo, os estudantes que tiveram a oportunidade de conhecer, aprender e aplicar o Scrum em sala de aula conquistaram uma valiosa competência bônus. Por estarem à frente da maioria de seus concorrentes no nível técnico, se mostraram mais interessantes para muitas empresas contratantes.

Foi assim que ao menos cinco pessoas conseguiram vagas de estágio remunerado em grandes indústrias da região metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) justamente por demonstrarem esse conhecimento, que muitas das empresas estavam implantando naquele momento, além das hard skills esperadas.

 

Fase II

Diante dos excelentes resultados obtidos com esse Projeto Experimental, a Coordenadora Pedagógica sobreviveu sem grandes traumas associados à ansiedade, e eu, não apenas não fui demitido, como fui convidado a expandir o projeto para todas as disciplinas de todos os cursos da ECOTEC. Ufffa!

Começamos então a planejar a Fase II do Projeto Experimental na qual o Kanban engoliria o quadro branco de vez...

 

Melhorias baseadas nas lições aprendidas

Para a Fase II, após conquistar a confiança pedagógica da Coordenadora, e, orientados pelas possibilidades de melhorias percebidas, criamos o seguinte plano de ação para transformar a ECOTEC numa escola pedagogicamente centrada nos Frameworks Ágeis e nas Metodologias Ativas de ensino e aprendizagem:

  • Criamos uma oficina para ajudar no aprendizado e na aplicação do Scrum, chamada de BOOK SCRUM GAME, onde os novos alunos e os novos professores, ou mesmo aqueles que sentiam que precisavam revisar algum ponto da ferramenta, se reuniam e escreviam um livro artesanal, do completo zero, em até cinco horas, usando os conceitos ágeis.
  • Introduzimos a metodologia ABP - Aprendizagem Baseada em Projetos para orientar a seleção dos projetos que seriam desenvolvidos e a sua rubrica de avalição, incluindo, necessariamente, a autoavaliação dos alunos.
  • Utilizamos também a metodologia da Sala de Aula Invertida, como forma de ativar o interesse dos alunos nos temas teóricos e otimizar o tempo de produção dos projetos em sala de aula.
  • Desenvolvemos e/ou utilizamos outras técnicas de aprendizagem ativa, tais como ATFI, Giro Colaborativo, Aprendizagem em Espiral, Jogo das Sete Escolhas Consensadas e Gincanas Competitivas.
  • Todo o material produzido em sala de aula, além de receber a publicidade prevista na ABP, passou a integrar um banco de informações para consultas futuras pelos demais docentes da escola.
  • Criamos um plano de atenção especial com os docentes, especialmente os recém contratados, para que entendessem a importância da mudança de paradigma e atuassem como facilitadores e mantenedores do processo dentro das salas de aula.

 

Próximos passos

Obviamente que, passados três anos do início da experiência, e considerando que o ciclo médio de cada aluno na escola é de 18 meses (1,5 anos), atualmente não existem mais alunos que vivenciaram o processo de transição ente metodologias tradicionais e metodologias ativas, o que é um elemento facilitador. Foram dias difíceis quando eu, a Coordenadora Pedagógica e a Proprietária da ECOTEC, enfrentamos uma rejeição forte por parte de alguns alunos e professores mais resistentes à mudança. Porém, os resultados mostraram, e vem mostrando, que estávamos certos ao apostar na ideia.

Logo, o próximo passo natural a ser dado pela comunidade ECOTEC envolve o que chamo de ECOTEC 2.0, quando a escola passaria a adotar a ABP como linha mestra metodológica, acrescida de um processo lúcido de Gamification, ficando o Scrum como coadjuvante importante de gestão das entregas.

Para quem quiser saber mais, estou à disposição...

Abraço!

 

Aprendizagem por Projetos

Educação do Futuro
Paulo Taveira
Paulo Taveira Seguir

Sou um aprendiz-praticante muito interessado no feliz casamento entre Metodologias Ativas e Frameworks Ágeis nas salas de aula.

Ler conteúdo completo
Indicados para você