[ editar artigo]

Rotina de pensamento “antes pensava que/ agora penso que” – relato de experiência

Rotina de pensamento “antes pensava que/ agora penso que” – relato de experiência

Sabe aquela conversa cheia de trocas de conhecimentos e práticas que te inspira a querer conhecer mais e mais sobre determinados assuntos?

Pois é, foi numa dessas conversas que ouvi os termos “Pensamento Visível” e “Rotinas de Pensamento”, quando uma amiga, Danielly Abud, comentava sobre seu primeiro contato com a prática, após tanto ler e estudar. Ela expunha com grande entusiasmo e sabedoria os resultados alcançados no uso das rotinas “vejo/penso/pergunto” e “cabo de guerra”. Ouvi-la falar me instigou a querer pesquisar sobre tudo isso.

Desde então, passei a pesquisar muito sobre o tema, entrei em sites como Project Zero e ATIVA Educação, que possuem um amplo material sobre Rotinas de Pensamento, me debrucei em leituras e lives que falassem sobre o assunto. Me seduzi por esse “mundo”; por essa forma de ensinar a “pensar”. Cada vez que lia algo ou ouvia alguém expor sugestões e/ou experiências acerca das Rotinas de pensamento, mais me encantava com a possibilidade de criar visibilidade para a aprendizagem.

Com certeza não demoraria muito para introduzir em minhas aulas, formas de buscar evidências de aprendizagem, por meio do pensamento visível. Foi quando, durante uma aula de matemática, em que o tema trabalhado eram gráficos, em um aplicativo chamado Khan Academy, surgiu a ideia de usar a Rotina de pensamento “antes pensava que/ agora penso que”.

Primeiro os alunos foram convidados a montar gráficos a partir de tabelas sugeridas no site do Khan Academy. Enquanto realizavam a atividade, socializavam dúvidas. Em seguida, foram convidados a realizar o processo inverso, ou seja, criar tabelas com base nos gráficos apresentados. Uma grande discussão tomou conta do grupo, que se envolveu nas perguntas e respostas que iam acontecendo, como por exemplo, “Para que servem gráficos?”, “No que eles podem nos ajudar?”, “Onde podem aparecer?”.

Ao concluírem a atividade, utilizando a plataforma Jamboard, apliquei a rotina “antes pensava/ agora penso”. Para minha surpresa, o resultado foi INCRÍVEL. Os estudantes, que têm entre oito e nove anos de idade, foram muito bem!! Me SURPREENDERAM!! Foram capazes de separar o pensamento dizendo e escrevendo o que sabiam antes e após a aplicação da atividade.

Posso afirmar, com toda certeza, que este contato inicial com as rotinas de pensamento, foi extremamente gratificante e vem me inspirando ao planejamento de mais e mais aulas que considerem o pensamento visível como uma ferramenta que oferece elementos pedagógicos que podem auxiliar os estudantes a desenvolverem sua forma de pensar. A possibilidade de promover momentos de engajamento aos alunos, para que desenvolvam a compreensão e entendam o que está por trás de uma pergunta, simplesmente me fascina. Acredito que com isso desenvolverão a capacidade de transferir para a vida possibilidades eficazes de resolverem problemas e tomar decisões.

Desde então tenho me aprofundado mais e mais nesses estudos, alinhando o pensamento visível às minhas práticas pedagógicas e, muitas vezes, utilizando as rotinas de pensamento como forma de avaliar as compreensões e incompreensões do estudante.

Uma maneira simples e potente de fazê-los pensar sobre seu próprio aprendizado e uma ferramenta de avaliação rápida que me forneceu informações importantes para planejar minhas próximas ações.

Aprendizagem Visível

Educação do Futuro
Sandra Monica Paulos
Sandra Monica Paulos Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você