[ editar artigo]

O que é Gestão de Obras? Entenda o conceito e saiba a importância da boa gestão de Obras

O que é Gestão de Obras? Entenda o conceito e saiba a importância da boa gestão de Obras

Vamos começar pelo começo.

 

Antes de entendermos de fato o que é a gestão, precisamos conhecer mais de perto a palavra gestão.

 

Gestão, no mundo da Arquitetura e Engenharia pelo menos, se trata de um termo utilizado para agrupar em uma só atividade outras duas funções relacionadas diretamente ao processo de projeto e obra.

Você já deve ter ouvido, ou mesmo pode ter dito, a frase: “estou administrando uma obra” ou “estou gerenciando uma obra”.

Pois bem. Essencialmente, administrar é lidar com os recursos humanos e financeiros de uma organização, negócio ou, em nosso caso, projeto ou obra. Enquanto que, gerenciar se trata da atividade atribuída ao gerente, que tem como ocupação gerenciar as questões técnicas de um processo.

 

Quando juntamos essas 2 funções, chegamos à palavra Gestão, nos trazendo à seguinte definição: gestor é o profissional que gere os recursos financeiros, humanos e técnicos de um processo de obra, ou de projeto, para atingir os objetivos de custo, prazo e qualidade do produto final da obra em questão.

 

Ficou complexo?

Vou simplificar!

 

Uma obra tem sempre como meta atingir o melhor potencial de 3 pilares que sustentam a gestão:

  1. Custo

  2. Prazo

  3. Qualidade

A função do gestor é a de otimizar o processo de obra com o objetivo de gerar o produto final (imóvel a ser construído ou reformado) no custo mais baixo possível, o mais rápido possível e com a melhor qualidade de materiais e serviços possível.

 

Trocando em miúdos, Gestão de Obras se trata do conjunto de técnicas e ferramentas que compõem um processo, cujo objetivo é o de equilibrar os 3 pilares de custo, prazo e qualidade, gerando assim o resultado mais equalizado possível.

 

E porque precisamos da tal da Gestão para realizar nossas obras?

 

Uma obra é um processo complexo o suficiente, para não dizer dos mais complexos, que, para atingir os objetivos de seu patrocinador / investidor / proprietário, demanda de organização por parte dos diversos agentes envolvidos no processo para ser realizada conforme os interesses desse patrocinador / investidor / proprietário.

Essa organização é formada basicamente por planejamento, execução e retroalimentação, e sem a presença de um agente centralizador de toda a informação envolvida neste processo, suas metas dificilmente serão alcançadas.

 

O fato é que “cachorro sem dono, ou morre de fome, ou morre de tanto comer”.

 

Quando mais de uma pessoa, seja ela física ou jurídica, tenta liderar uma equipe ou cuidar de muitos agentes, a tendência é que algumas atividades, tarefas e informações se percam pelo caminho, e outras se repitam desnecessariamente.

Por isso a importância e necessidade iminente de apenas um agente centralizador, chamado Gestor de Obras, para fazer o papel de “pivô” nesse processo, e organizar as demandas do cliente, demandas técnicas, gerenciais, financeiras, de recursos humanos, de riscos, qualidade, entre algumas outras que não quero me aprofundar aqui.

 

Portanto, quando tratamos de Gestão de Obras, estamos lidando com o entendimento das demandas de nossos clientes, traduzindo tais demandas para os setores técnicos da construção civil, realizando o planejamento financeiro, de pessoal e de materiais, para a devida execução da obra dentro do prazo, custo e qualidade desejados e esperados pelo cliente.

 

Essa é a premissa máxima da Gestão de Obras e o que todos os profissionais que atuam, ou desejam atuar com construções e reformas, deveriam buscar como resultado de seu trabalho.

 

E você, o que busca com a realização das obras de seus clientes?

 

Coloque aqui nos comentários e compartilhe este conteúdo com seus colegas de trabalho para que, juntos, possamos transformar o setor da construção civil no Brasil.

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você