[ editar artigo]

Coding no Ens. Básico em todos os componentes curriculares

Coding no Ens. Básico em todos os componentes curriculares

Que tal introduzir ou culminar assuntos de qualquer componente curricular utilizando a programação? Ou quem sabe incluindo em aulas híbridas por estações? Ou talvez ainda podendo desenvolver através do ensino remoto independente do segmento?

Pra começar deixo claro que não se faz necessário ter domino em nenhuma linguagem de programação ou mesmo ser uma, ou um, expert em tecnologia, no entanto, obviamente, serão necessárias algumas horas de dedicação para entender as possibilidades das ferramentas que vou citar, além da construção de uma proposta de projeto no assunto que deseja conduzir. De qualquer forma são ferramentas interessantes e razoavelmente simples, sendo que muitas delas já possuem estratégias prontas e geram resultados fantásticos.

Importante destacar também que algumas ferramentas são somente plataformas digitais e geram resultados somente digitais e podem já serem utilizadas com seus alunos, mas também citarei algumas elencadas com recursos físicos como robôs e placas diversas, sendo necessário adquirir os equipamentos separadamente.

Mas antes de tudo vou contar uma rápida “historinha” :)!

Tudo começa em 1967 com Seymour Papert através do seu pioneirismo na inteligência artificial e software educacional Logo. Papert, que também foi o “pai” do termo construcionismo, que deriva do construtivismo, e consiste em o educando construir seu próprio aprendizado por intermédio de ferramentas, trouxe uma nova perspectiva para educação com o desenvolvimento da ferramenta Logo para potencializar a aprendizagem.

Já no início dos anos 2000, Papert junto com a LEGO e seu sistema de montagem, foram algumas das inspirações para Mitch Resnick e sua equipe no MIT criarem novas ferramentas educacionais, dentre elas uma inovadora proposta de programação voltada para crianças que substituíra os complexos códigos de linhas intermináveis, por blocos digitais (como os blocos da Lego) com uma linguagem completamente visual e totalmente direcionada para o ensino da programação para crianças.

Com isso a proposta do coding, através de uma interface gráfica, os alunos tem acesso a blocos, sendo que cada bloco consiste em um conjunto lógico diferente, e no final gera um resultado ou produto. Isso traz a sensação de ter programado de verdade, afinal, a máquina vai seguir as instruções montadas nos blocos e fazer exatamente aquilo que o aluno construiu.

Agora que você teve esse pequeno resumo sobre a proposta de programação em bloco, segue abaixo algumas indicações de ferramentas que podem ser utilizadas para práticas educacionais fantásticas.

Coding | Programação

Educação do Futuro
Reginaldo Machado
Reginaldo Machado Seguir

* Mais de 12 anos na Educação em Escolas e Empresas de Educação; * Formador em tecnologias educacionais (Maker, Robótica, AVA`s, Adaptativos, V.A's, R.A's e etc); * Autor e professor de Pensamento Computacional (Maker, STEAM, STEM e Robótica).

Ler conteúdo completo
Indicados para você