[ editar artigo]

O Ensino Híbrido e recursos digitais

O Ensino Híbrido e recursos digitais

 

Quando procuramos o significado da palavra híbrido no dicionário on-line (https://www.dicio.com.br/) encontramos que híbrido em genética foi algo do cruzamento entre espécies, raças, variedades ou gêneros distintos. Em linguística, diz-se do vocabulário que se forma a partir da junção de palavras pertencentes a outra(s) línguas.  No sentido figurado aparece o exemplo do carro híbrido, um automóvel que possui e pode funcionar com um motor de combustão e/ou com um motor elétrico. Mas afinal, em educação, o que seria o Ensino Híbrido?

“É uma abordagem pedagógica que combina atividades presenciais e atividades realizadas por meio das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDICs).” (VALENTE, 2015, p.13). Assista ao vídeo “Ensino Híbrido – Personalização e Tecnologia na educação” criado pela Fundação Lemann com uma explicação sobre o Ensino Híbrido, o vídeo tem 02’38”.

Saber dimensionar o que será aprendido no virtual e no presencial, aproveitar o tempo, espaços, recursos, as interações e as tecnologias digitais são importantes no planejamento do professor no Ensino Híbrido. 

Para Bacich, Neto e Trevisani (2015), no Ensino Híbrido, as configurações das aulas favorecem momentos de interação, colaboração e envolvimento com as tecnologias digitais. A ideia é que professores e alunos possam ensinar e aprender em tempos e locais variados.

O papel do professor, do aluno e o espaço da sala de aula ganham um novo significado.  “O papel do professor é essencial na organização e no direcionamento do processo.” (BACICH; NETO; TREVISANI, 2015, p. 23). 

Para Valente (2015) o professor tem a função de mediador, consultor do aprendiz. E a sala de aula passa a ser o local onde aluno interage com o professor e com os colegas para resolver as tarefas. Quanto ao papel do aluno no Ensino Híbrido, ele é incentivado a ser mais autônomo e ter uma postura mais participativa no processo de ensino-aprendizagem.

Como coloca Valente (2015), no Ensino Híbrido o aluno tem contato com a informação antes de entrar em sala de aula, ele pode trabalhar com o material no seu ritmo, assim como, revisita-lo quando necessário. No caso de um vídeo postado na plataforma on-line pelo professor, o aluno pode assistir quantos vezes quiser. 

As atividades presenciais (atividades em sala de aula), ganham um novo sentido e proporcionam trocas sociais como os trabalhos em grupo e interações entre o aluno e o professor.

No Ensino Híbrido as interações em alguns momentos são feitas por meio de tecnologias digitais e, em outros, acontecem nas discussões de questões levantadas em sala de aula. (BACICH; NETO; TREVISANI, 2015). 

Como modelos de Ensino Híbrido podemos colocar:

  1. Modelo de Rotação, que se divide nas seguintes propostas: Rotação por Estações, Laboratório Rotacional, Sala de Aula Invertida e Rotação Individual. 

  2. Modelo Flex

  3. Modelo à la carte

  4. Modelo virtual enriquecido

Para conhecer cada um destes modelos, acesse o site (https://www.blendedlearning.org/modelos/?lang=pt-br). 

O professor torna-se um mediador do conhecimento e precisa mostrar para o aluno que existem diferentes formas de construir o saber com o Ensino Híbrido. As tecnologias digitais podem ajudar bastante neste processo de aprendizagem, lembrando sempre que a integração dos recursos digitais na educação precisa ser feita de forma crítica, criativa, inovadora e ética.

O objetivo do aprendizado híbrido é que os dois momentos, o on-line e o presencial, sejam complementares e visem à personalização do ensino.  Refletindo sobre a personalização e observando aspectos como o ritmo, o tempo, o lugar e o modo como o aluno aprende colocarei abaixo algumas dicas de recursos digitais que podem ser úteis para uso nos modelos de Ensino Híbrido, como plataformas inteligentes, também chamadas adaptativas, possibilitando que cada um aprenda no seu tempo. “O planejamento é fundamental no modelo híbrido de ensino. As tecnologias utilizadas devem ser escolhidas com objetivos pedagógicos muito bem definidos.” (LIMA; MOURA, 2015, p. 94).

Pensando que cada aluno tem sua própria forma de aprender, seja por meio da leitura, de vídeos, simulações, trabalhando entre pares, enfim, trace o seu plano de ensino, escolha o modelo de ensino híbrido e os recursos digitais que utilizará.

Para interações entre professores e alunos temos os ambientes virtuais de aprendizagem, nestes espaços on-line, que funcionam como uma sala de aula virtual, o professor pode postar materiais como textos, vídeos, formulários, quiz e outros. Neles, os alunos também podem participar de fóruns, avaliações e questionários. Como exemplo, temos o Moodle, o Edmodo e o Classroom.

Caso o modelo escolhido seja a sala de aula invertida ou o laboratório rotacional, é possível explorar conteúdos em vídeos, simulações e animações. Neste caso, temos o PhET com simulações, o TED-Ed, o Youtube e o Túnel das mídias. Os laboratórios virtuais de Química e Física e portais com repositórios de objetos de aprendizagem como BIOE (Banco Internacional de Objetos Educacionais), o Portal do Professor e outros como a Escola Digital e o Currículo+ podem ser sites interessantes para pesquisar recursos digitais.  

“No modelo de ensino híbrido, a tecnologia viabiliza novos e distintos métodos de avaliação, como recursos diversos, sistemas de cooperação ou de registro individual de resultados, formas variadas de entrega e apresentação.” (RODRIGUES, 2015, p. 124). Como ferramentas para uma avaliação podemos utilizar formulários on-line como Google Forms, assim como ferramentas de produção como blogs, sites e o Google Docs. Pode-se explorar também as ferramentas de quizzes como o Kahoot e Quizizz.

Como plataforma adaptativa podemos citar a KhanAcademy, é uma plataforma gratuita que oferece exercícios, vídeos e um painel de aprendizado personalizado que habilita o aluno a aprender no seu próprio ritmo dentro e fora da sala de aula. Aborda matemática, ciência, programação de computadores, história, história da arte, economia entre outras. Fornece relatórios de desempenho do aluno em tempo real e é possível o professor acompanhar o que foi ou não realizado pelo aluno.

O foco do ensino híbrido é colocar o aluno no centro do processo de ensino-aprendizagem tornando-o ativo na construção do conhecimento. 

A educação no sentido mais amplo é aprender - e auxiliar os outros a fazê-lo, por meio de comunicação e compartilhamento - a construir histórias de vida que façam sentido, que nos ajudem a compreender melhor o mundo, aos demais e a nós mesmos; que nos estimulem a evoluir, a fazer escolhas, nos libertem das nossas dependências e nos tornem mais produtivos e realizados em todos os campos, como pessoas e cidadãos. (MORAN, 2015, p.31) 

Para saber mais sobre Ensino Híbrido indico o livro “Ensino Híbrido Personalização e tecnologia na educação” de Lilian Bacich, Adolfo Tanzi Neto e Fernando de Mello Trevisani (Organizadores) da editora Penso, ano de 2015, e também, o curso on-line disponível no Coursera oferecido pela Fundação Lemann e pelo Instituto Península.

Referências:

BACICH, Lilian; TANZI, Adolfo Neto; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs)Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015. 270 p.

HÍBRIDO. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2021. Disponível em: https://www.dicio.com.br/hibrido/. Acesso em: 23/01/2021.

LIMA, Leandro Holanda Fernandes; MOURA, Flávia Ribeiro. O professor no Ensino Híbrido. In: BACICH, Lilian; TANZI, Adolfo Neto; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 89-102.

MORAN, José Manuel. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, Lilian; TANZI, Adolfo Neto; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 27-45

RODRIGUES, Eric Freitas. A avaliação e a Tecnologia: a questão da verificação de aprendizagem no modelo de ensino híbrido. In: BACICH, Lilian; TANZI, Adolfo Neto; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 123-137. 

VALENTE, José Armando; Prefácio. In: BACICH, Lilian; TANZI, Adolfo Neto; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p.13-17.

Metodologias Ativas

Educação do Futuro
Luciane Pakrauskas Vellozo
Luciane Pakrauskas Vellozo Seguir

Atuo na área de Tecnologia Educacional.

Ler conteúdo completo
Indicados para você